Bem-vindos, amigos visitantes!


A finalidade do blog SURDO HK é divulgar o trabalho de ensino especializado e os projetos desenvolvidos por profissionais que atuam na Escola Municipal de Educação Bilíngue para Surdos Helen Keller - EMEBS HK - São Paulo - Brasil.

Municipal Deaf Bilingual School Helen Keller – EMEBS Helen Keller – located in São Paulo City, SP, Braz

SOBRE NÓS...

Nossa história começou em 13 de outubro de 1952, a primeira escola pública de São Paulo a atender crianças surdas. Começamos em Santana, mudamos para o Ipiranga e nos estabelecemos no bairro da Aclimação em 1956.
Nestes 64 anos, presenciamos as transformações educacionais, linguísticas e culturais da Comunidade Surda Nacional, percorremos sua história, do oralismo ao bilinguismo.
Protagonizamos movimentos em defesa da educação para surdos, vivenciamos suas lutas e vitórias.
HISTORICAMENTE, a EMEBS HK transcende o Educacional, é um ESPAÇO SURDO legitimado pela comunidade surda e lideranças nacionais, palco de importantes eventos, discussões e deliberações políticas pelos DIREITOS DOS SURDOS.
Com o Decreto nº 52.785 de 10 de novembro de 2011, passamos de Escola de Educação Especial para ESCOLA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS e sobre esta concepção de ensino, a nota técnica nº10 do Programa Mais Educação de São Paulo, AFIRMA QUE... "reconhece o direito dos Surdos a uma educação bilíngue que respeite sua identidade e cultura, na qual a LIBRAS é a primeira Língua e, portanto, língua de instrução, e a Língua Portuguesa é a segunda, sendo objeto de ensino da escola na modalidade escrita."
O atendimento especializado foi ampliado sob a luz de novas legislações e hoje a EMEBS Helen Keller é uma escola voltada para educação de crianças, jovens e adultos com surdez, com surdez associada a outras deficiências, limitações, condições ou disfunções e surdocegueira.

Há pouco tempo, muitos destes alunos estavam em suas casas, excluídos do convívio educacional, e foi com muita coragem, empenho e disposição para estudos e pesquisas, que os professores da HK se especializaram ainda mais e assumiram a tarefa de receber esta demanda nas salas de surdos. É um trabalho diferenciado, pois as atividades são pensadas e planejadas individualmente; há uma ampla troca de experiências entre os professores e o compromisso em adaptar as atividades de acordo com as potencialidades e habilidades de cada aluno. As limitações não constituem uma barreira, mas um DESAFIO a ser superado!

20 de abr de 2014

Ensino Especializado x Ensino Regular: a história REAL da inclusão!

A criança chegou na HK em fevereiro, sua mãe portava apenas um papel de transferência para o 5ºano, oriunda do ensino regular inclusivo: 11 anos, surda, com paralisia cerebral e baixo desenvolvimento físico e intelectual.
Jennifer, a menorzinha, de mãos dadas com os alunos do 5ºano C, sala onde foi matriculada.
A transferência de uma escola regular para uma EMEBS foi realizada sem nenhum acompanhamento profissional, tampouco recebemos os documentos formais que nos informasse sobre a vida escolar da aluna. 
Para não perder tempo, realizei uma avaliação diagnóstica e o resultado não poderia ser mais triste: nada de Libras ou qualquer comunicação, nada que lembre um trabalho de escolarização; desconhece letras, números, quantidades e ordens simples.
Avaliação Diagnóstica
Em entrevista com a mãe, descobrimos que as atividades de vida diária também inspiravam cuidados especiais: não tinha autonomia para se locomover, se alimentar e usava fraldas...uma criança avaliada como muito frágil.
A solidariedade presente nos alunos da HK: auxílio do amigo de classe durante o almoço.

PRECISEI solicitar o histórico escolar e o relatório pedagógico de aprendizagem da escola regular e para minha surpresa, o conceito máximo estava presente na maioria das disciplinas, classificando-a como apta a frequentar o 5ºano.
 Fiquei imaginando o triste cenário de exclusão escolar desta criança: passaram-na a cada ano, até que chegasse aqui, sem os conteúdos mínimos esperados para quem frequentou a escola durante seis anos de sua vida. 
 
O retrato da solidão da exclusão...

Treino do uso da tesoura

Percepção de cores e formas

Coordenação motora

Percepção da linha limite
Uso da massinha para tonificar mãos e desenvolver a criatividade


Percepção Corporal

O que nos difere dos colegas do ensino regular, é a especialização e uma vasta experiência no ensino de alunos com surdez, surdocegueira, baixa visão e múltiplas deficiências associadas. Difícil entender porque os pais resistem tanto em buscar um ensino especializado para seus filhos, preferem colocá-los num pseudo "sistema educacional inclusivo", 
com resultados precários e tortuosos.
Jennifer no 5º Ano C

Enfim, Jennifer chegou na HK, como tantas outras crianças, tardiamente, era hora de arregaçar as mangas, unir forças e buscar meios para incluí-la no agrupamento a que somos obrigados pela legislação, isto é, um 5º ano com alunos fluentes na Libras, em processo adiantado de aquisição da segunda língua, o português escrito e com desenvolvido raciocínio lógico matemático.
Pois bem, a aluna necessitava de ENSINO ESPECIALIZADO INDIVIDUALIZADO, mas assim como a rede regular, somos carentes destes profissionais, em número e qualificação.
Profa. Márcia Furquim do PACIS, durante atendimento semanal individualizado com a Jennifer, na sala do 5º Ano C

números e quantidades





No período da tarde, onde se concentram aproximadamente 30 alunos surdos com múltiplas deficiências associadas, contamos com o trabalho heroico de uma única especialista que atua no PACIS- Projeto de Apoio à Construção da Identidade Surda, a Profa. Márcia Furquim, que se desdobra em planejar atividades e atender crianças em diferentes níveis de aprendizagem, inseridas nas diversas salas de aula.
Trabalham conosco duas estagiárias de Cefai (Centro de Formação e Acompanhamento à Inclusão), que auxiliam no pedagógico e duas Auxiliares de Vida Escolar, que se ocupam da higiene, alimentação e locomoção destas crianças, número insuficiente de recursos humanos para suprir a demanda destes alunos.



















Mais uma vez ressalto nosso diferencial, todos professores possuem formação específica e um olhar especial, sabem exatamente o seu papel neste delicado processo e se unem numa verdadeira força tarefa. Somam-se aos professores, os profissionais de apoio e equipe gestora, todos muitos dedicados na sua maioria.
Prof. Marcos no Projeto de Apoio Pedagógico












Helena, Auxiliar Técnico de Educação, dedica carinho especial durante a alimentação.

O acolhimento entre os alunos é natural

Assistente de Direção Isabel, acompanha o progresso da aluna


Para suprir a carência de recursos humanos na escola, estabeleci parceria com uma Pedagoga fluente em Libras, amiga virtual do FACEBOOK, a Elisângela Rodrigues. 
Elisângela, minha parceira, Coordenadora de Creche no período da manhã, faz trabalho voluntário na HK no período da tarde.

Uma amizade que começou com a troca de informações no Facebook sobre uma paixão comum: a CAUSA SURDA
Trabalho VOLUNTÁRIO! Sim, ainda existem profissionais do bem, a Eli se sensibilizou com a história da Jennifer e se propôs a dar apoio pedagógico por algumas tardes, seguindo a minha orientação e da Profa. Márcia do PACIS






Em pouco tempo, já começamos a colher resultados positivos com a "frágil" Jennifer: autonomia para andar, subir e descer escadas, brincar, se alimentar. Já executa ordens simples, relaciona-se bem com todas as crianças e profissionais do período da tarde, que a adoram... Jennifer vive a sorrir! 





O carinho e sensibilidade do Prof. Marcos nas aulas de Artes e do Projeto de Apoio Pedagógico 



Já se alimenta sozinha!






Rega a horta com os amigos

Participa de atividades coletivas

Adquiriu equilíbrio

Até bate corda!





Sobe e desce escada
Adquiriu segurança!













 Está em processo de aquisição de uma língua, a Libras, a porta de comunicação do Surdo, que lhe permitirá externar o seu mundo e interpretar o que nos cerca.
Sinal dos alimentos do almoço e identificação das letras do seu nome

O ensino também parte dos amigos da classe

sinal: borboleta

sinal: coelho

sinal: passarinho

Este é apenas um exemplo entre tantos, o trabalho de construção e resgate da auto estima, Identidade e Cultura Surda de uma minoria social e linguística, nosso desafio de todos os dias.

O retrato da libertação do "eu interior": afinal, EXISTO!!


Nenhum comentário: